Site Overlay

Telecom Italia planeja futuro após anos de turbulência

O presidente da Telecom Italia apresentará seus planos para a empresa nesta quinta-feira (7), depositando as expectativas de deixar para trás anos de turbulência por meio de um spin-off.

Pietro Labriola, quinto diretor executivo da empresa em seis anos, quer um reinício separando a rede fixa da empresa de seus negócios de serviços. A parte complicada, como sempre, será para satisfazer todas as partes interessadas.

O mais recente plano de reestruturação envolve uma potencial combinação da infraestrutura de rede fixa, avaliada internamente em cerca de 20 bilhões de euros, incluindo dívida, com a de seu rival menor Open Fiber, controlada pela estatal italiana Lender CDP.

O CDP se tornaria o acionista dominante na entidade combinada, com a Telecom Italia provavelmente deixando ou segurando apenas uma participação residual para focar em seus negócios de serviços.

A Vivendi, maior acionista da Telecom Italia, quer uma avaliação de 31 bilhões de euros da rede fixa do grupo, diz uma fonte, um preço considerado excessivo por analistas.

“Regulamento também poderia ser um desafio, já que a fusão poderia criar uma rede nacional de atacado dominante”, disse David Wright, analista da BofA Global Research, em um relatório.

Para preparar o terreno, a Labriola pretende desmembrar a rede de acesso doméstico da Telecom Italia e o plano internacional de negócios Sparkle.

A execução do plano de desmembramento pode demorar 18 meses e atualmente depende principalmente de uma rede de acordo com a Open Fiber.

De acordo com o plano da Labriola, a Telecom Italia’s as operações de serviços incluirão as atividades brasileiras de serviços TIM e serviços domésticos na Itália, que serão divididas em duas unidades, cada uma com foco em seu próprio modelo de negócio e metas financeiras paralelas.

  • Veja também